Jornal da 2CNews

Segunda, 28 de novembro de 2022
MENU

Corporativo

IA é a arma dos bancos contra o cibercrime, revela pesquisa

Estudo aponta que 94% dos bancos e instituições financeiras de todo o mundo usam ou pretendem usar Inteligência Artificial e Machine Learning para combater o cibercrime

Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O estudo State of Application Strategy Finances Edition 2022, relatório construído a partir de entrevistas realizadas no primeiro semestre de 2022 com 131 CIOs e CISOs de organizações financeiras globais, incluindo 16 líderes de instituições da América Latina, mostra que 94% dos líderes consultados afirmaram já usar soluções de Inteligência Artificial e Machine Learning ou planejam fazer isso em breve para combater fraudes digitais e garantir a segurança de seus clientes, investidores e correntistas.

 

A pesquisa revela que em toda a América Latina, os clientes finais das instituições financeiras (Bancos, corretora de valores, seguradoras etc.) - sejam correntistas ou investidores - sofreram com a vulnerabilidade a crimes digitais das organizações financeiras que os atendem.

 

De acordo com o relatório, bancos que não contam com soluções de combate a fraudes com recursos de IA e ML acabam tendo uma visibilidade limitada sobre o que está, de fato, se passando em seu ambiente e causando problemas a seus clientes. 98% dos gestores entrevistados para o estudo da F5 reconhecem que não contam com os insights necessários para ter uma visão analítica sobre o que se passa em seu ambiente e, que essa situação, pode levar a confusões como imaginar que um ataque é um problema de performance.

 

Com base no estudo, Roberto Ricossa, Vice-Presidente da F5 LATAM, explica que as pessoas estão sendo alvo de Account Takeovers, tendo suas identidades roubadas numa série de fraudes baseadas em dados vazados, tecnologias de IA e ML e em engenharia social. "A mitigação desse quadro passa pelo uso de plataformas que discernem com precisão, de forma personalizada e em escala de milhões de transações por segundo, o que é um acesso humano legítimo, o que é um Bot ou um acesso humano espúrio", afirma Ricossa.

 

Hilmar Becker, Country Manager da F5 Brasil, conta que segundo o relatório State of Application Strategy Finances Edition 2022, a busca por oferecer a melhor UX (Experiência do Usuário) ao cliente final, seja uma pessoa ou uma empresa, tem levado 99% das organizações financeiras a priorizarem o uso de IA e ML em aplicações das áreas de marketing, finanças e RH. "A disseminação de soluções de IA e ML para segurança digital depende de os gestores de negócios compreenderem que a UX e o valor da marca do banco sofrem quando ataques acontecem", diz Becker. "São plataformas que resolvem problemas estruturais muitas vezes invisíveis, que costumam causar prejuízos recorrentes", afirma Becker.

 

A pesquisa da F5, empresa de soluções que garantem a segurança e a entrega de aplicações de negócios, mostra ainda, um crescimento entre 2021 e 2022, de 168% no número de bancos que já estão repatriando ou planejam mover suas aplicações da nuvem pública ou híbrida para a nuvem privada e, que 96% do setor financeiro fez mudanças em tecnologia e em políticas de treinamento de colaboradores para melhor se defender de ataques digitais.

 

Enquanto em 2021 somente 29% dos entrevistados afirmaram estar fazendo a repatriação de Apps ou planejarem essa ação, em 2022 75% do universo pesquisado está realizando essa operação. Esse quadro pode resultar da forte adoção da estratégia de "Lift and Shift" de aplicações legadas para a nuvem, sem passar pela fase de transformação dessas plataformas em aplicações modernas. 40% dos entrevistados disseram realizar "Lift and Shift" para a nuvem de suas plataformas de negócios.

 

"A pandemia acelerou na América Latina - especialmente no Brasil, no México e na Colômbia - a tendência de migrar aplicações para a nuvem pública. Acontece, agora, um movimento pendular, com os gestores buscando um ponto de equilíbrio entre a nuvem pública e a privada", analisa Ricossa.

 

Os entrevistados que participaram do levantamento da F5 trabalham em bancos, corretoras de valores e seguradoras de todo o globo com equipes que variam de 1.000 a 10.000 pessoas. Os tomadores de decisões de algumas das principais organizações de finanças do mundo foram ouvidos para este estudo.

Fonte/Créditos: DINO

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!